Mas um dia o oleiro veio…

Olá leitores aqui estamos nós novamente para compartilhar com os amigos alguns dos mistérios que estão por trás da capa preta e que se fez revelação a nós, mas as vezes não percebemos.

O texto de hoje  Jeremias 18.1-6

” 1  A PALAVRA do SENHOR, que veio a Jeremias, dizendo:

2  Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras.

3  E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas,

4  Como o vaso, que ele fazia de barro, quebrou-se na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos olhos do oleiro fazer.

5  Então veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

6  Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o SENHOR. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. “

Pois bem, vamos aos fatos e explicações de por que esse texto.

Estava eu agora pela manhã voltando pela rua, após levar meu afilhado na escola ouvindo músicas, quando tocou uma canção de Heloísa Rosa chamada Estante da Vida, que dá título a seu CD. Na canção fala sobre um vaso quebrado e arranhado pela vida. Fala que o “vaso” tenta se reconstruir.

Irmãos, quem nunca passou por problemas e tentou se erguer sozinho? Todos nós, exato? Temos que  entender que Deus é o oleiro. Ele nos molda conforme a Sua vontade e semelhança. Antes que os ateus de plantão venham a dizer que então somos marionetes na mão do Senhor, digo, o molde já está pronto, a arte final é Cristo.

Quando deixamos Ele nos moldar, ele nos faz conforme o caráter de Cristo. Quando nós tentamos nos moldar, somos como o barro que se estraga nas mãos do oleiro e ele continua a fazer o vaso mesmo assim, pura e simplesmente para acabar a obra. Não por perfeição mas por obrigação de produtividade.

Na canção diz algo que me chamou mais atenção ainda “Eu já fui um vaso vazio, sem água, sem flores. Buscando aceitação dos homens, querendo estar no centro…” Povo de Deus, quem nunca foi assim? Todos nós, um dia fomos um vaso vazio, sem água, sem flores. O que eu quero dizer com isso? Todos nós um dia estivemos vazios. Sem nada por dentro, mas com o exterior completamente adornado, e assim, buscavamos aceitação dos meios onde vivemos. Nem quero entrar em questão social de jovens que buscam ser iguais aos outros para serem aceitos em grupos, mas sim de irmãos, que buscam apresentar ao povo, algo que não tem nem para si.

Gente já vi muito disso, pessoas com boa fluência verbal, com facilidade de oratória, chegar na frente do povo, pregar sobre um texto bíblico e o povo todo vir bajulá-lo após passado o momento do culto. No entanto, ao sair dali, a vida o está esmagando. Ele necessita de ser tratado em enumeras áreas de sua vida, mas por causa de um certo conceito intelectual que esse tem perante o povo, a liderança as vezes tem medo de o encarar.

Gente assim está cheia. Ou gente que, por a igreja necessitar de pessoas para ajudar, nunca trabalha seu caráter e deixa-o fazer a obra do jeito que está. Aquela máxima “igrejeira” de “venha como está, mas venha” não vale para tudo. Vale para a chegada da pessoa na congregação, mas não para o convivo ministerial, para assumir cargo de liderança. E nesse caso, não vale a outra máxima que a fé sem obras é morta, porque a obra sem preparo mata. Sim, mata e a própria palavra fala que não temos o direito de matar ninguém, e uma atitude sem preparo pode ceifar uma vida cristã que está nascendo e ainda não tem uma base formada.

Todos temos problemas e temos de ser tratados dia após dia, e esses problemas são vencidos quando deixamos a própria Palavra da Vida nos confrontar. Quando ao ler algum texto fala que praticar algo é errado, e percebemos que praticamos aquilo e não conseguimos parar. Então, ai está a cura. Pedimos para Deus falar conosco, mas esperamos que Ele desça especialmente do Seu trono de glória, para falar “fulano, isso não me agrada”, quando está na sua leitura diária a vontade dEle. E o pior de tudo é ouvir “Eu não senti nada, o que o pastor falou não é de Deus, não senti vento, não senti sopro, tremedeira no espírito, então não era pra mim”, caro irmãozinho, deixe de ser superficial. Acabou esse texto com uma indagação a você que tem esse tipo de pensamento: “Sentir pra que, ver pra que? Se a própria Palavra que tu crê ser de seu Deus fala que “Felizes os que viram, mas bem-aventurados os que não viram e creram“(João 20.29)”. Se você precisa ver ou sentir para crer, dou-lhe uma dica: reveja seus conceitos também a fé que anda dizendo professar. Deixe Deus te moldar, seja vaso nas mãos dEle. Não importe com que Ele venha a quebrar-te, pois Ele só quebra quem ama, pois está refazendo de uma maneira que tu fiques perfeito aos Seus olhos do Perfeito oleiro.

Em Cristo

Diagnóstico: Cristão

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos, Estudos, Músicas e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Mas um dia o oleiro veio…

  1. Graça e Paz,

    parabéns pelo post,deixemos que Deus nos molde de acordo com a tua vontade.

    Em Cristo

    Ailton
    extremosulgospel

  2. Luiz Carlos disse:

    Este fato de que somos o eterno barro é fantastico

  3. Deixe os atoas falarem.Sim, somos barro, somos vaso,temos um dono que nos aperfeiçoa, segundo o seu querer e pra glória do seu nome, preparando-nos para um dia morarmos na cidade santa e inatingível.Temos um dono, somos propriedade de Deus, isto é o que nos importa. O Senhor nos comprou, e nos quer levar deste mundo cruel.Oh glória!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s